Skip links

O varejo deve investir em social commerce?

De acordo com a GWI, 54% dos usuários de redes sociais utilizam plataformas como Facebook, Instagram ou TikTok para pesquisar produtos.

 

Entenda melhor essa tendência a seguir!

Dados confirmam o crescimento do social commerce

Social commerce é o processo de utilizar redes sociais para a compra e venda de produtos e serviços diretamente por tais plataformas.

O grande atrativo dela é a praticidade de unir o consumo de conteúdo on-line com informações sobre as marcas e a finalização da compra em um só lugar.

Pesquisas apontam que 83% dos usuários das redes sociais descobrem novos produtos pelas redes.

 

Sete em cada dez consumidores digitais no Brasil já compraram pelas redes sociais.

Novas gerações levarão redes sociais ao topo das vendas no e-commerce

O público entre 16 e 24 não apenas é proporcionalmente o mais adepto das compras pelas redes sociais, como também é o que teve maior ampliação do uso em 2022.

Nesse grupo, 78% declaram comprar pelas redes em 2022, um número 29 pontos percentuais maior que o registrado no ano anterior. Como comparação, entre os indivíduos de 35 a 44 anos o crescimento foi de 15 pontos percentuais, chegando aos 65%.

A cada ano, então a tendência é de maior fortalecimento do social commerce, porque se torna o comportamento padrão para os novos consumidores que entram no mercado.

Com isso, a Wunderman Thompson projeta no “Ready or Not?” que o social commerce será o principal canal de vendas digitais até 2029. Enquanto ele deve crescer, os demais se manterão mais ou menos no mesmo patamar ao longo da década. Por exemplo, em 2019 os sites das marcas eram os canais mais importantes na internet, com 19% das vendas on-line. Em 2029, eles devem manter esse percentual, mas serão superados pelo social commerce, com 20%.

Não à toa, um quinto dos líderes de e-commerce nos Estados Unidos e no Reino Unido já reconhecem que a venda pelas redes sociais será o principal modelo de negócio digital nos próximos anos.

Capacidade de criar contexto será fundamental ao social commerce

Ainda de acordo com o relatório “The Future Shopper”, 62% dos consumidores desejam que fosse mais divertido comprar on-line. Essa é justamente mais uma das vantagens do social commerce, porque permite contextualizar produtos e serviços pela perspectiva do entretenimento.

Nesse sentido, a Meta destaca a criação de contextos para as compras como uma das cinco maiores táticas criativas para as marcas utilizarem nas redes sociais. Como exemplo, ela cita um reality show de beleza transmitido ao vivo no Facebook pela empresa vietnamita Tiki. Foram sete episódios para impulsionar a temporada de liquidações, que atraiu mais de 50 milhões de visualizações e gerou um grande aumento de vendas.

Para completar, 46% dos consumidores globais entrevistados pela Wunderman Thompson já fizeram compras on-line por meio de transmissões ao vivo nas redes sociais.

Mas não se esqueça: ofertas e descontos ainda estão entre as principais motivações para comprar. Esse é um fator que levaria 36% do público a consumir mais no social commerce.

Deixe um comentário